Publicado em

Aurora: 1.100 famílias apaixonadas pelo vinho

A Vinícola Aurora é uma cooperativa, fundada em 1931 por 16 famílias produtoras de uva e de vinho que se uniram para ganhar força e valorizar as suas produções. Após a celebração da festa de Nossa Senhora de Lourdes, um grupo de 21 homens, que representavam essas 16 famílias produtoras decidiu que aquele seria o dia da fundação da cooperativa. Sentaram-se sob uma árvore frondosa, à beira de um riacho em busca de sombra nesse dia de alto verão, e ali sacramentaram a união. O nome surgiu naturalmente: o sol nascera há pouco e sugeria àqueles homens o início de tudo, o começo de um futuro iluminado.

 

Acervo: Vinícola Aurora
Acervo: Vinícola Aurora

A Aurora é a vinícola brasileira mais premiada nos concursos internacionais de vinhos, que acontecem durante o ano nos diferentes países. São mais de 540 medalhas conquistadas.
Por três anos consecutivos (2014, 2015 e 2016) possui dois rótulos na relação TOP 100 do mundo, uma seleção feita pela Associação Mundial dos Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores, com sede na Europa, que se baseia no desempenho de milhares de vinhos nos mais de 80 grandes concursos internacionais do mundo.

 

É a maior vinícola do Brasil e está presente em todo o mercado brasileiro. Seu portfólio tem produtos para todos os perfis de consumidores, seja o iniciante, o recém-iniciado ou o grande conhecedor.

Aurora Pinto Bandeira - Janeiro 2012 - Créditos Fernando Zanchetti
Aurora Pinto Bandeira – Janeiro 2012 – Créditos Fernando Zanchetti

A Vinícola Aurora está sediada na zona urbana de Bento Gonçalves, a capital brasileira da uva e do vinho, com duas unidades produtoras. Os vinhedos, cerca de 2.800 hectares, compõem as propriedades das 1.100 famílias cooperadas e estão situados nas zonas rurais de Bento Gonçalves e vários de seus distritos e municípios próximos, como Garibaldi, Farroupilha, Veranópolis.

 

 

Aurora Pinto Bandeira - Janeiro 2012 - Créditos Fernando Zanchetti
Aurora Pinto Bandeira – Janeiro 2012 – Créditos Fernando Zanchetti

Além das propriedades dos cooperados, a Aurora faz seu trabalho de terroir na Aurora Pinto Bandeira, uma área de 24 hectares, dos quais 16 são cultivados, que pertence à Cooperativa (e não a um cooperado). Ali são cultivadas as variedades Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico, produção exclusiva para a elaboração dos vinhos com Indicação de Procedência Pinto Bandeira, a segunda região demarcada de vinhos do Brasil. É exatamente desta região que são produzidos os melhores espumantes brasileiros e com indicação geográfica de procedência!

Aurora Espumante Pinoy NoirAurora ChardonnayA vinícola conta mais de 200 itens no portfólio da vinícola, com rótulos de 13 marcas. A produção total, considerando todos os produtos, é de 50 milhões de litros/ano. Seu enólogo-chefe, Flávio Zílio, acaba de ser eleito por todos os enólogos do Brasil o ” Enólogo do Ano 2016″, pela sua grande contribuição pelo desenvolvimento dos vinhos brasileiros de qualidade e pela qualidade que imprime em todos os produtos que assina, independente do preço com que chegam às prateleiras e da faixa de consumo a que se destinam.

 

 

Publicado em

Cave Geisse: o Brasil entre os Top Mundo

Todos nós gostaríamos de ter um currículo como este:
– Recentemente nomeada Vinícola do Ano do Novo Mundo pela principal revista Americana especializada em Vinhos, “Wine Enthusiast”
– Cave Geisse é o único produto brasileiro indicado no famoso livro “1001 vinhos para se beber antes de Morrer”
– Cave Geisse Terroir é o único espumante brasileiro listado no Atlas do Vinho de Jancis Robinson (UK) – uma das principais influências do mundo do vinho junto com Robert Parker (USA)

mario-geisse
Acervo: Cave Geisse

Conheça a Família Geisse: quem projetou o espumante brasileiro para o mundo!
Os Geisse escolheram a região de Pinto Bandeira, na Serra Gaúcha, para fincar suas raízes e iniciar uma história de tradição e amor na elaboração de  espumantes premium, trabalhando um terroir demarcado e selecionado pela suas características singulares e ideais para produção das variedades Chardonnay e Pinot Noir.

O fundador da vinícola, Sr. Mário Geisse, chega ao Brasil no final dos anos 70 quando recebeu o convite da Moët & Chandon para abrir o mercado na América Latina. Passado alguns anos no Brasil, Mario Geisse, escolheu a região de Pinto Bandeira para fincar suas raízes e iniciar uma história de tradição e amor na elaboração de  espumantes premium.

irmaos-geisse
Acervo: Cave Geisse

No final dos anos 90, seus filhos foram se incorporando em diferentes área do negócio para dar sequência ao trabalho e projetar o vinho brasileiro para o mundo!

Conhecendo Pinto Bandeira, o terroir brasileiro para espumantes elaborados a base de Chardonnay e Pinot  Noir
Os vinhedos Geisse estão plantados em uma área demarcada em virtude de características específicas: altitudes acima dos 700m, com exposições norte e solos de origem basáltica da era Juro-Cretácea, que permitem excelentes níveis de drenagem além de proporcionarem características singulares aos espumantes, atualmente considerada uma das melhores regiões do mundo para se elaborar espumantes de alto nível.

Atualmente são elaborados 12 espumantes diferentes entre as duas marcas, Cave Geisse e Cave Amadeu, com uma produção total anual de 230.000 garrafas anos, todas pelo método tradicional – como se faz na região francesa de Champagne!

Sustentabilidade como diferencial produtivo
Os espumantes Cave Geisse são elaborados com uvas provenientes 100% de vinhedos próprios, ecologicamente corretos, conduzidos de maneira sustentável e sem resíduos químicos prejudiciais a saúde.
A Vinícola Geisse foi a pioneira na utilização do sitema TPC ( Thermal Pest Control) que permite o cuidado dos vinhedos sem utilização de agrotóxicos desde sua floração até a colheita, garantindo frutas livre de resíduos químicos prejudiciais a saúde e ainda com melhores resultados de qualidade, sem prejudicar o meio ambiente, diminuindo a utilização de água e consequentemente a contaminação dos solos e lençóis freáticos.

rotulos-geisse

Os mais premiados rótulos da linha Cave Geisse são encontrados aqui:

Cave Geisse Blanc de Noir
Cave Geisse Extra Brut
Cave Geisse Amadeu Rosé Brut
Cave Geisse Amadeu Brut
Cave Geisse Espumante Nature
Cave Geisse Terroir Rosé Brut

Para saber mais: www.cavegeisse.com.br

Publicado em

Luiz Argenta: tecnologia e sofisticação

No distante ano de 1931, na cidade de Flores da Cunha, foram plantadas as primeiras uvas viníferas do Brasil. A histórica propriedade de 140 hectares que pertencia a antiga Granja União desde 1929, pioneira na produção de vinhos finos no Brasil foi adquirida pelos irmãos Deunir e Itacir Argenta em 1999.

luiz-agenta-vinhedos
Acervo Luiz Argenta

Os vinhedos foram replantados, com importação de mudas da Europa, e hoje a propriedade conta com 16 variedades diferentes de uvas viníferas, como por exemplo Cabernet Franc, Syrah, Viogner, Gewurztraminer, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras. Trata-se de uma área de 55 hectares de uvas viníferas, sendo que todos os vinhos da Luiz Argenta são elaborados com uvas de seus próprios vinhedos.

A vinícola, por ter uma arquitetura diferenciada, recebeu o título de a mais bela vinícola do Brasil, votação feita pelo site especializado enoblogs.com.br em 2012, e o título de uma das mais belas vinícolas do Mundo, pela revista especializada ADEGA em 2010. Você pode conhecer a vinícola de inúmeras formas, desde uma visita com degustação, tour pela estrutura da vinícola, Enotur acompanhado pelo enólogo, Piquenique e Wine Day, previamente agendado para proporcionar experiências inesquecíveis aos visitantes.

luiz-argenta-vinicola
Acervo Luiz Argenta

Após a colheita, a preocupação em preservar ao máximo as qualidades intrínsecas das uvas, ganha contornos de preciosismo. Para não sofrerem agressões mecânicas, elas passam pelo sistema de vinificação por gravidade, que não danifica a baga da uva e não quebra as suas sementes, ganhando em qualidade para o vinho.

A fermentação dos vinhos é feita apenas em tanques de aço inox, com cintas térmicas que garantem o controle de temperatura. O envelhecimento no carvalho são feitos em barricas de carvalho francês.

A Luiz Argenta também investe no design de seus produtos. Os produtos da linha L.A. Jovem estão embalados em garrafas italianas exclusivas, tornando os seus produtos ainda mais sofisticados e únicos. Estas garrafas são utilizadas apenas na linha dos vinhos jovens da vinícola por serem vinhos de consumo rápido e não precisarem ser armazenadas — devido ao formato destas garrafas serem de difícil adaptação em adegas convencionais.

luiz-argenta-vinhos
Divulgação: Luiz Argenta

Estas garrafas também seguem o conceito de sustentabilidade da vinícola, pois elas podem facilmente serem reutilizadas como objeto de decoração, ou o que mais a imaginação permitir.

Visite o site da vinícola em: www.luizargenta.com.br

Publicado em

O primeiro vinho da Aurora com Indicação de Procedência

Antes mesmo de começar a falar do nosso próximo “queridinho”, o vinho Aurora Chardonnay – Pinto Bandeira 2014, gostaríamos de reforçar que, às vezes, é preciso quebrar alguns paradigmas para descobrir um bom vinho.

E tem mais, se não dermos a chance para o novo ou para desfazer certos conceitos, ou pré-conceitos, nunca estaríamos aqui oferecendo um vinho da Aurora. Mas o Red é a favor do novo e principalmente de quem se renova, afinal, o brasileiro já sabe apreciar um bom vinho independente da classe social, já não somos mais daqueles que toma qualquer tipo de vinho e acha bom.

Apesar da retração econômica, o brasileiro vem agregando o vinho à sua mesa e o resultado disso é que em 2015, segundo o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), o setor apresentou crescimento de 6,9% no volume dos derivados da uva. Para os espumantes o crescimento foi de 11,9% e dos sucos de uva prontos para consumo, índice 30,5% maior em relação a 2014.

De olho no mercado, a Aurora, líder de vendas e de exportações de vinhos no país, também começou a produzir vinhos em Pinto Bandeira, na Serra Gaúcha, segunda região do Brasil demarcada a conquistar Indicação de Procedência (IP), a primeira delas é o Vale dos Vinhedos.

O resultado desse primeiro vinho da Aurora com o selo da IP de Pinto Bandeira foi surpreendente. O Aurora Chardonnay dessa região nos conquistou pelo aroma, sabor e pela alta qualidade. Um excelente chardonnay, jovem, frutado e bem persistente. Um grande presente para os brasileiros, principalmente pelo bom custo-benefício.

Sim, é possível produzir vinhos bons e baratos no Brasil. Não perca a chance de provar e vai entender bem sobre o que estamos falando.

Aurora Chardonnay

Publicado em

Qual o segredo da Lidio Carraro?

Conciliar bons vinhos com preço justo não é uma cartilha que o Brasil e, digamos, o mundo do vinho sabe fazer bem. Apesar disso, a Lidio Carraro apostou nesta inequação e, literalmente, vem colhendo bons frutos.

Tanto que o comitê olímpico Rio 2016 já anunciou que a vinícola irá fornecer novamente, como também aconteceu na Copa do Mundo da FIFA 2014, os vinhos e espumantes exclusivos dos jogos, produtos que serão comercializados a partir de fevereiro e que detêm a marca oficial da olimpíada.

A Lidio Carraro também é uma vinícola familiar e de origem italiana, produzida no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves. Um dos diferenciais da vinícola é que ela procura não usar barricas de carvalho e elabora seus vinhos com métodos mais naturais possíveis, em busca da exclusiva essência do terroir. Com um pouco mais de quinze anos de existência, a Lidio Carraro já conseguiu grandes feitos e vem representando o Brasil em cenários mundiais.

Se o precursor do negócio é o viticultor Lidio Carraro, uma das suas grandes forças da vinícola é a sua comercialização, e para alcançar mercados no qual muitos gostariam de estar, essa força tem nome e sobrenome, Isabel Carraro, a matriarca da família que não aceita “não” como resposta. Em uma conversa exclusiva com o Red Buteco, no Vale dos Vinhedos, ela contou que vai atrás de todo mundo que considera importante para o seu negócio, sem medo e com a coragem de quem sabe que tem um bom produto para apresentar.

O exemplo dessa persistência é que a vinícola iniciou os contatos com a FIFA em 2011 e, após um rigoroso processo, muita concorrência com os gigantes do mundo do vinho e alguns anos de espera, em 2014 a Lidio Carraro foi a escolhida.

A vinícola já conta com uma grande variedade de marcas, entre elas a própria Lidio Carraro, Grande Vindima, Elos, Coletânea, Da’divas Espumantes, Da’divas Vinhos, Agnus e a linha Faces World Cup. De variedades de uvas como cabernet sauvignon, chardonnay, pinot noir, tannat, merlot, outras foram trazidas pela família, entre elas touriga nacional, tempranillo e nebbiolo. Atualmente, a empresa exporta para 18 países, sendo 16 na Europa, além de Estados Unidos e Canadá.

Publicado em

Já conhece vinho de Minas Gerais? O RED foi conferir

Se você ainda não conhece, certamente ainda vai conhecer, degustar e aprovar os vinhos de uma das vinícolas que se destaca no cenário brasileiro, a Luiz Porto Vinhos Finos.

Situada em Cordislândia, Minas Gerais(!), próximo a Varginha, Três Corações e Pouso Alegre, com fácil acesso através da Rodovia Fernão Dias, a Luiz Porto produz vinhos de qualidade através da técnica de ciclo invertido. Isto quer dizer: enquanto a colheita tradicional da uva ocorre nos verões, na Luiz Porto a colheita ocorre no inverno. Uma vez que durante os verões de Minas Gerais os dias são chuvosos, as uvas encontraram no inverno o clima ideal para se desenvolver.

A equipe da Red Buteco passou um sábado agradável junto à família Porto em sua fazenda e se encantou com a recepção de Dona Ritinha. Seu carinho e dedicação ao projeto é a tradução dos resultados que a vinícola vem tendo desde sua primeira safra, em 2012.

Além de conhecermos a vinícola, pudemos pedalar pela fazenda, visitar as videiras, almoçar com membros da família e amigos em sua sede além de degustar alguns dos ótimos rótulos que a Luiz Porto produz.

A paisagem não poderia ser diferente: lindas montanhas, plantação de café e milho, criação de gado, além, é claro, das videiras aguardando o próximo ciclo de produção.

Menu e harmonização:
– Salada verde com molho agridoce – Luiz Porto Chardonnay safra 2012
– Galinha caipira e polenta – Dom de Minas Merlot e Dom de Minas Syrah safra 2012
– Pavê com frutas – Luiz Porto Espumante Demi Sec

Se você quer conhecer mais sobre a vinícola e seus produtos ai vão as dicas:
– Agende um dia de passeio junto a equipe da vinícola através do website http://luizportovinhosfinos.com.br/
– Veja os vídeos que a equipe da Red Buteco preparou para você no YouTube:

– Receba e deguste os rótulos selecionados pela Red Buteco em sua casa

Siga-nos no Vivino e conheça mais: www.vivino.com/users/red.but

Publicado em

O que esperar de um jantar entre Coppola, George Lucas e Spielberg?

Após comprar uma propriedade na Califórnia, o diretor Francis Ford Coppola recebeu os amigos George Lucas e Steven Spielberg para um jantar. O papo deveria ser cinema, até que um vizinho, o já falecido produtor Robert Mondavi, interrompeu a ceia cinematográfica para oferecer um de seus vinhos.

Naquela noite, Coppola, com o incentivo dos seus amigos cineastas, resolveu produzir além de filmes, vinhos! Hoje, a sua vinícola, a Francis Ford Coppola Winery, é referencia mundial e parada obrigatória para quem visita a Califórnia. Em 2013, o Red Buteco foi a California conferir a vinícola e realmente se encantou com o tudo o que viu e degustou.

Em seus filmes, Coppola faz muitas homenagens à sua família. Em Poderoso Chefão, por exemplo, vários personagens, importantes ou apenas figurantes, eram parentes do diretor. E isso não seria diferente em seus vinhos. Prova disso é o vinho Gia, feito para sua neta, e o espumante Sofia, homenagem à sua filha e também cineasta, Sofia Coppola.

Uma frase famosa sobre o diretor é que “Coppola não faz nada barato”. Nem barato, nem sem qualidade. Como seus vinhos são tão bons quanto seus filmes, eles valem a pena!

Publicado em

Vinhos de outono no círculo do ouro em Minas Gerais

Nas páginas da história, o círculo do ouro deixou muitas marcas, algumas delas, como sangue e riqueza, são muito lembradas. Mas hoje a região é bastante conhecida pelos roteiros turísticos fascinantes. Por suas estradas é muito fácil deparar com cachoeiras, rios e montanhas que só Minas Gerais têm.

Imagine percorrer esta região fascinante e no meio do caminho deparar com a primeira vinícola de vinhos finos de Minas Gerais? O nome não poderia ser mais sugestivo e o vinho encontrado muito menos: a Vinícola Estrada Real conseguiu produzir com uma metodologia completamente diferente um vinho bárbaro, o Primeira Estrada Syrah.

A vinícola se destaca não somente pela aposta em produzir vinhos finos em uma região completamente inexplorada para o tipo de produto, mas pela técnica ousada chamada “inversão do ciclo da videira”, quando a colheita é invertida e feita no outono/inverno, época mais seca e mais ensolarada, condições favoráveis à colheita de uvas mais maduras, diferente das demais colheitas que acontecem na primavera/verão, na técnica conhecida como dupla poda.

O Red provou e aprovou o vinho de outono da Estrada Real e oferece com exclusividade por aqui. Esta é mais uma prova de que os vinhos brasileiros estão em ótima fase e têm muito a oferecer.

Publicado em

Pizzato: você já conhece a uva Alicante Bouschet?

A Pizzato conseguiu produzir com incrível maestria o único varietal (vinho feito com 100% de uma única casta de uva) elaborado a partir da uva alicante bouschet, fabricado no Brasil e produzido em escala comercial.

Já que falamos sobre o assunto varietal, vinho produzido com uma única variedade de uva ou com predominância de uma determinada uva, entenda também sobre o vinho de corte, que é produzido a partir de variações de uvas, também conhecido como blend ou assemblage.

Como classificar, então, o Alicante Bouschet? Um varietal ou de corte? Já que sua origem vem de um cruzamento entre petit bouschet e grenache, porém o seu resultado final é somente alicante bouschet?

Bem, não é simples avaliar ou descrever, no entanto tudo isto é possível já que este cruzamento pode ser acidental, no vinhedo, ou produzido em laboratório, como é o caso deste rótulo da Pizzato.

Pizzato Alicante Bouschet

A casta surgiu na Espanha, mas foi em Portugal, no Alentejo, que o Alicante Bouschet vem produzindo varietais muito interessantes. Uma uva muito utilizada também em vinhos de corte pelas suas características de corpo intenso e cor escura vibrante, usada principalmente para acrescentar cor e taninos aos vinhos. E este é mais um motivo para pensarmos no Alicante como um vinho de corte.

Então, a melhor maneira de decifrar como a Pizzato conseguiu descomplicar o alicante bouschet, é degustando-o. O Red jogou uma pulga atrás da sua orelha para que tente descobrir por si. Prove, compare e faça você mesmo a sua avaliação, depois passe por aqui e conte pra gente o que achou. Varietal ou de corte?

Veja os destaques do Alicante Bouschet da Pizzato

  • 90 pontos no Guia Adega de Vinhos do Brasil 2013/2014
  • Seleção do Brasil por Evan Goldsztein, master sommelier EUA
  • Melhor vinho de uvas exóticas Revista Adega setembro 2013 (90 pontos)
  • Exportado para diversos mercados: Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Luxemburgo, Bélgica etc.
Publicado em

O Paraná também produz bons vinhos. Você já conhece?

Localizada na Estrada do Saltinho próximo a São José dos Pinhais, Paraná, há 40 km de Curitiba, no entorno da Serra do Mar, a vinícola comprou o desafio de produzir vinhos finos fora das regiões mais conhecidas no Brasil para o cultivo das uvas. A Araucária faz parte de um novo conceito da vitivinicultura brasileira, principalmente pela associação de espaço e tecnologia.

O Red gostou tanto do que viu que irá comercializar todos os surpreendentes vinhos da Araucária, que possui sete variedades de uvas europeias – cinco francesas e duas italianas. A vinícola produz ainda o espumante Poty, da uva Chardonnay, e o tinto Angustifólia, da uva Cabernet Sauvignon.

A vinícola existe a menos de dez anos e já apresenta produtos e personalidade de quem sabe aonde quer chegar, tanto que dois dos seus vinhos já foram condecorados com medalhas, um deles foi o Angustifólia Chardonnay, medalha de prata, e o outro a primeira obra da vinícola, o medalha de ouro o Angustifólia Cabernet Sauvignon, um tinto de cor vibrante e encorpado, com boa guarda. Seu nome é em homenagem à árvore símbolo do Paraná, pinheiro-do-paraná – a Araucária Angustifólia.

Acervo próprio RED BUTECO
Acervo próprio RED BUTECO

A propriedade é sustentável e foi muito bem preparada para o cultivo de uvas e totalmente adaptada à produção de vinhos. Numa área de três hectares (30 mil metros quadrados), mais ou menos a 980 metros de altitude, são cultivadas as uvas francesas Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Chardonnay, Pinot Noir e Viognier e as italianas Nebbiolo e Teroldego.

Fica a dica: Fevereiro é naturalmente o mês da colheita da uva e a Araucária faz a tradicional “Festa da Vindima da Vinícola Araucária”, uma festa que é uma verdadeira aula de produção de vinhos, técnicas sobre colheita, além de, é claro, muito vinho para harmonizar com as iguarias típicas que a linda propriedade oferece.

Conheça a linha de produtos da Araucária comercializada pelo Red

Vinho Branco Angustifólia Chardonnay 750ml
Espumante Poty Brut 750ml
Espumante Poty Demi-sec 750ml
Vinho Tinto Angustifólia Cabernet 750ml
Vinho Tinto Angustifólia Merlot 375ml
Vinho Tinto Gralha Azul Merlot 750ml
Vinho Tinto Gralha Cabernet Franc 750ml