Publicado em

Dose Dupla!!! Vinícola da Copa produzirá o vinho das Olimpíadas Rio 2016

A Lidio Carraro, de Bento Gonçalves, que elaborou o vinho oficial da Copa Brasil 2014, é bicampeã e ganha a concorrência para produzir os vinhos oficiais também das Olimpíadas do Rio 2016.

“É uma vitória de todo o setor, em especial da Serra Gaúcha” vibra a diretora executiva Patrícia Carraro De Bertoli.

Em fevereiro, a Lidio Carraro apresentará os rótulos oficiais das Olimpíadas e, a partir desta data,  os vinhos serão comercializados.

A vinícola tem um grande histórico em eventos esportivos:

  • Jogos Olímpicos Pan-Americanos do Rio de Janeiro em 2007
  • 30 anos da Stock Car – 2010
  • Mundial da Fifa – 2014
  • Rio Open – 2016

Estamos ansiosos para ver no pódio o primeiro campeão das Olimpíadas do Brasil. Vamos aguardar!

Publicado em

Na Copa de 2014 a taça foi nossa… a do vinho pelo menos. Conheça o vinho nacional padrão FIFA

Todos nós acompanhamos as inúmeras exigências da FIFA. Padrões que fomos obrigados a atender, muitas vezes sem concordar com a forma que foram alcançados. No entanto, ficou claro que entendemos que eram criteriosos. Prova disso foi que esse tal “padrão” serviu de referência e estampou inúmeros cartazes nas marcantes manifestações de 2013: “Queremos educação padrão FIFA”, “Hospitais padrão FIFA”.

Apesar dos nossos hospitais e escolas, que são, em sua maioria, um vexame, e o 7×1, outro vexame, em um quesito o Brasil mostrou que tem qualidade, responsabilidade e pode representar positivamente o nosso país diante do mundo. Esse quesito está na taça… de vinho.

A vinícola Lidio Carraro, do vale dos Vinhedos na Serra Gaúcha, levantou a taça e ganhou uma acirrada concorrência entre outros rótulos brasileiros assinando o vinho oficial da Copa do Mundo de 2014.

O chamado “padrão FIFA” avaliou, principalmente, duas combinações: qualidade e preço.

Os vinhos Faces FIFA World Cup 2014, nas versões tinto, rosé e branco foram criados pela enóloga Mônica Rosseti, que diz ter se inspirando no futebol e, claro, na diversidade de uvas disponíveis no Brasil.

A goleada da Alemanha foi amarga e difícil de engolir, mas o mesmo não aconteceu com o vinho, aprovado pelos maiores críticos do mundo.

Os vinhos oficiais da Copa foram importados pela Dinamarca, Reino Unido, Bélgica, Holanda, Estados Unidos, Japão entre outros países. O mundo conheceu o sabor do Brasil, de perto ou de longe.

Conheça um pouco mais sobre os três vinhos que conquistaram o mundo:

  • Faces Branco 2012, elaborado com Chardonnay, Moscato e Riesling Itálico, inspirado nas 3 uvas brancas mais fores no Rio Grande do Sul. Fresco e equilibrado, vai bem com saladas de atum, queijos leves e quiches.
  • Faces Rosé 2013, Resultado do corte de Pinot Noir, Merlot e Tempranillo, foi inspirado na vitalidade e juventude dos brasileiros. Leve e seco, abrem o apetite.
  • Faces Tinto 2012, como no futebol, foram escaladas 11 uvas: Merlot, Cabernet, Sauvignon, Tannat, Teroldego, Touriga Nacional, Nebbiolo, Alicante, Ancellota, Tempranillo, Malbec e Pinot noir dão um show de bola como um vinho leve, com taninos macios e ótimo frescor. Combina com pizzas e frios.
Publicado em

O segredo do sucesso das seleções europeias na Copa do Mundo está na taça de vinho!

Quem levanta a taça de vinho, levanta a taça e leva a Copa!

Antes de mais nada, vamos revisitar os ganhadores das Copas de 1990 a 2014:

  • 1990 – Alemanha Ocidental
  • 1994 – Brasil
  • 1998 – França
  • 2002 – Brasil
  • 2006 – Itália
  • 2010 – Espanha
  • 2014 – (Gol da) Alemanha

Nessa pequena amostragem, tirando os dois títulos mundiais do Brasil, todos as taças foram levantadas pelas seleções europeias.

Há quem diga que há mais disciplina na Europa, mais dinheiro, mais estrutura e incentivo, ou que, simplesmente, ocorreu o apagão brasileiro. O que podemos afirmar, com certeza, é que eles são mais ousados e procuram se reinventar. E uma das ousadias é colocar em sua dieta o vinho, bebida alcoólica, nas vésperas dos jogos, o que é proibido nas concentrações da seleção brasileira.

Por que será que uma taça de vinho acompanhada de uma refeição rica em carboidratos, na véspera de uma partida, pode favorecer a performance dos jogadores em campo?  Os motivos são vários:

  • O vinho tem cerca de 1000 componentes.
  • 80 a 90% é água.
  • Pouco ou quase nada de açúcar (como em alguns vinhos secos).
  • Não tem gorduras.
  • Tem 1 a 2 gramas de proteínas/litro que são desintoxicadoras, regeneradoras e que ajudam na digestão.
  • Costumam ter quantidade de aminoácidos essenciais para a prática de esporte que o corpo não produz e devem ser ingeridos.
  • Tem vitamina B – a mais importante para um atleta.
  • Os polifenóis do vinho aumentam o aproveitamento dos carboidratos, a maior fonte de energia para os atletas, melhora o aporte de sangue, de oxigênio e nutrientes para os músculos e o cérebro e tem efeito anti-inflamatório.

* Todos os benefícios apenas se a bebida for consumida com moderação.

Curiosidade: Maradona também liberou vinho para os jogadores da Argentina, não ousaremos dizer o real motivo, rs, e hoje a bebida faz parte da dieta dos jogadores. Brincadeiras à parte, a Argentina foi vice campeã do mundo de 2014!

Nos resta torcer para o Brasil se reinventar no campo e na mesa, caso contrário… gol da Alemanha.

Você, que gosta de esportes, não precisa esperar seja aprovado pela CBF para adquirir esse hábito dos europeus. Clique aqui e seja, também, um vencedor.